..........and believing that tomorrow will be better, even with tears ready to fall ,have to smile so that anyone else feel our pain.

domingo, 15 de abril de 2012

Macau

Ajuda Wikipedia , travel china guide,macauturismo



Ola miguitos hoje como é domingo vou levar vos a passear,que tal conhecermos um pouco de Macau?,pois,pois deve de ser lindo então vamos viajar um pouco.
Macau, localizado na costa sudeste da China, é uma região administrativa especial do país. Macau é conhecida como a Meca dos jogos na Ásia,podemos desfrutar da cultura chinesa e da arquitectura portuguesa,(deve ser magnifico cruzar as duas culturas não?).
Macau é uma Região Administrativa Especial da República Popular da China desde os primeiros momentos da madrugada do dia 20 de Dezembro de 1999. Antes desta data, Macau foi colonizada e administrada por Portugal durante mais de 400 anos e é considerada o primeiro entreposto, bem como a última colónia europeia na China.
A colonização de Macau teve início em meados do século XVI,com uma ocupação gradual de navegadores portugueses que rapidamente trouxeram prosperidade a este pequeno território, tornando-o numa grande cidade e importante entreposto comercial entre a China, a Europa e o Japão. Macau atingiu o seu auge nos finais do século XVI e nos inícios do século XVII, mas só em 1887 a China reconheceu oficialmente a soberania e a ocupação perpétua portuguesa de Macau, através do "Tratado de Amizade e Comércio Sino-Português". Em 1967, como consequência do Motim 1-2-3, que marcou a revolta dos residentes chineses pró-comunistas de Macau, em 3 de Dezembro de 1966, Portugal renunciou à sua ocupação perpétua de Macau. Em 1987, após intensas negociações entre Portugal e a República Popular da China, os dois países acordaram que Macau voltaria para a soberania chinesa no dia 20 de Dezembro de 1999. Actualmente, Macau está a experimentar um grande e acelerado crescimento económico, baseado no acentuado desenvolvimento do sector do jogo e do turismo, as duas actividades económicas vitais desta região administrativa especial chinesa.
A Região Administrativa Especial de Macau é constituída pela Península de Macau e por duas ilhas: (Taipa e Coloane. Após a ligação feita por meio de um aterro, o istmo de Cotai), Macau ficou com a superfície total de 28,6 km². Situa-se na costa meridional da República Popular da China, a oeste da foz do Rio das Pérolas e a 60 km de Hong Kong, que se encontra aproximadamente a este de Macau. Faz fronteira a norte e a oeste com a Zona Económica Especial de Zhuhai, logo é adjacente à província de Guangdong.
Macau tem cerca de 538 mil habitantes, sendo a esmagadora maioria de etnia chinesa. Faz muitos aterros na foz do Rio das Pérolas para conseguir mais espaços de construção.
Desde 20 de Dezembro de 1999, o nome oficial de Macau é "Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China" (RAEM). Após o estabelecimento da RAEM, Macau actua sob os princípios do Governo Popular Central da RPC de "um país, dois sistemas", da "Administração de Macau pela Gente de Macau" e de "Alto Grau de Autonomia", gozando por isso de um estatuto especial, semelhante ao de Hong-Kong, e possuindo consequentemente um elevado grau de autonomia, limitado apenas no que se refere às suas relações exteriores e à defesa. Foi também garantido pela RPC a preservação do seu sistema económico-financeiro e das suas especificidades durante pelo menos 50 anos, isto é, pelo menos até 2049.
Antes da colonização portuguesa ocorrida no início do século XVI, Macau era conhecida como Haojing ("Ostra Espelho") ou Jinghai ("Mar de Espelho").O seu nome chinês (Ou Mun), que, à letra, significa "Porta da Baía", parece ter origem no facto de a Península de Macau ser habitada, antes da chegada dos portugueses, por várias povoações de pescadores e alguns camponeses chineses vindos das províncias de Fujian e Cantão. O seu nome português (Macau) parece ter origem num dos primeiros locais de desembarque dos navegadores portugueses, a Baía de A-Má (em cantonês, "A-Ma Gao"), nome esse que se deve à existência nessa baía de um templo em homenagem à deusa A-Má. A-Ma Gao se tornaria, Amacao, Macao e, por fim, Macau.

Climaticamente, Macau está na área das monções e o seu clima é considerado subtropical húmido, sendo considerado temperado e chuvoso no Verão, a estação de ano mais longa de Macau. Nesta estação de ano, isto é, entre Maio e Outubro, são frequentes as chuvas intensas, as trovoadas e os tufões (as tempestades tropicais), bem como os elevados valores da precipitação e da temperatura. Quando está hasteado o sinal nº 8 do Código local de Tempestades Tropicais, são interrompidas as ligações marítimas e aéreas com o exterior. A última vez que tal ocorreu foi a 19 de Abril de 2008, na passagem do tufão Neoguri (cão-guaxinim, em coreano) a ciclone tropical e sua aproximação de Macau.
A época mais agradável do ano é o Outono, que começa em Outubro, altura em que o Interior da China começa a arrefecer. Nesta época, o clima é quase sempre ameno e o céu limpo. No mês de Dezembro as massas de ar frio vindas do Interior da China (norte de Macau) atingem Macau, arrefecendo a sua temperatura.
Vista da Colina Penha em Macau.
Em Janeiro e Fevereiro (meses do Inverno), Macau é atingida por mais vagas de ventos frios e secos do Norte da Sibéria vindos do Centro e do Sul da China, arrefecendo ainda mais a sua temperatura, podendo esta descer abaixo dos 10°C. É geralmente nesta época invernal que se registam os valores mais baixos do ano para a temperatura, a humidade relativa e a precipitação.
Nos meses de Março e Abril (período da Primavera), o vento sopra de Leste para Sudoeste, fazendo assim aumentar a temperatura e a humidade. Nesta época do ano, são relativamente frequentes os dias húmidos com chuviscos e com pouca visibilidade.
As variações atmosféricas de Macau, que são relativamente grandes entre o Verão e o Inverno, são principalmente causadas pelas monções. Em 2006, os valores absolutos da temperatura máxima (no Verão) e mínima (no Inverno) do ar foram de 36,0 °C e de 6,5 °C, respectivamente, sendo a temperatura média anual aproximadamente de 22 °C.A média da humidade relativa foi de 79,0% e o vento soprou predominantemente do Norte.


Macau, como um ponto de encontro e de intercâmbio entre o Ocidente e o Oriente, é dotada de uma grande diversidade de religiões, como o Budismo, o Confucionismo, o Taoísmo, o Catolicismo, o Protestantismo, o Islamismo e a Fé Bahá'í, que se coexistem harmoniosamente.
Porém a esmagadora maioria da população de Macau é adepta ao Budismo. Mas, muitos deles, considerando esta religião como uma concepção genérica, incorporam nela vários elementos e valores do confucionismo, do taoísmo, da mitologia chinesa e de outros costumes, crenças e práticas tradicionais chinesas, sendo uma destas práticas os cultos ancestrais. Todo este conjunto religioso sincretizado e adoptado pelos chineses é chamado vulgarmente por religiões populares chinesas ou crenças populares chinesas ou ainda por crenças tradicionais chinesas.
Existe também em Macau uma comunidade considerável de cristãos, sendo a sua maioria membros da Igreja Católica, que está hierarquicamente organizada e estruturada em Macau na Diocese de Macau. Esta diocese foi criada em 1576 e está actualmente na dependência imediata da Santa Sé, abrangendo somente o território da RAEM. Actualmente, Macau conta com cerca de 18 mil a 27,5 mil católicos. Desde 2003, o Bispo desta diocese é D. José Lai Hung-seng, um natural de Macau.
Além da presença da Igreja Católica, existe também em Macau uma comunidade de protestantes, que contava, em 2006, com cerca de 6 mil protestantes e com cerca de 70 templos. A chegada do Protestantismo a Macau remonta ao século XIX, com a chegada, em 1807, do missionário protestante Robert Morrison.
Os residentes de Macau são dotados de uma considerável tolerância religiosa. De acordo com o artigo 34.º da Lei Básica da Região Administrativa Especial de Macau, "os residentes de Macau gozam da liberdade de crença religiosa e da liberdade de pregar, de promover actividades religiosas em público e de nelas participar". E, de acordo com o seu artigo 128.º, "o Governo da RAEM não interfere nos assuntos internos das organizações religiosas…" e "…não impõe restrições às actividades religiosas que não contrariem as leis da Região Administrativa Especial de Macau". Em Macau, todas as confissões religiosas são iguais perante a lei e, de acordo com a Lei n.º 5/98/M, as relações entre o seu Governo e as confissões religiosas assentam-se "nos princípios da separação e da neutralidade".

Na parte sul do Peninsular, a nova área recuperado e área do porto exterior, em comparação com as regiões centrais e ocidentais mais tradicionais, é a região desenvolveu recentemente em que o aspecto moderno da cidade pode ser encontrado. Há muitos hotéis luxuosos habitação vários casinos de jogo e estes locais estão cheias de pessoas de todo o mundo quando a noite vem. Numerosos museus nestas duas áreas apresentam a essência da cultura de citys e história, incluindo o Museu do vinho de Macau, Museu do grande prémio, Museu de arte, etc.

As duas ilhas da Taipa e Coloane, conectado a Península de Macau por duas pontes característica natural tranquila e cenários de praia e são boa opção para uma pausa curta longe do movimentado Peninsular. Corrida de cavalos do Jockey Clube de Macau atrai inúmeros jogadores de áreas próximas e Hac Sa e gabinetes de bambu são duas áreas naturais deslumbrantes cênicas com a beira-mar melhor balneares lugares.
A cidade é o paraíso para gourmands com uma grande variedade de deliciosas cozinhas de todo o mundo incluindo cozinha portuguesa de Macau-estilo inigualável, cozinha cantonesa tradicional, comida exótica de Itália, França, Brasil, Índia, Japão e Coréia... Todos possam encontrar o seu favorito! Além disso, as bem conhecidas iguarias de dim sum de Macau nunca devem ser perdidas. Pastéis de Nata (uma torta de ovos de estilo português) que se originou na ilha de Coloane periféricas é o destaque lanche da cidade e Café de Margaret & Nata oferecer o melhor. Todos os tipos de dim sum variando de bolo de amêndoa, bolos de frango, cookies de caju, bolachas de gergelim, rolos de ovo e queijo são servidos no café português muitos e eles são boas opções para presentes de familiares ou amigos.
Conhecido como ' Oriental Las Vegas', a indústria do jogo em Macau está crescendo e já se tornou uma característica importante da economia local. Surpreendentemente, os turistas não encontrar o tipo de razzmatazz nos cassinos da cidade como em outros lugares; por outro lado, você pode sentir as expectativas dos jogadores de seus modos polidos e a atmosfera pacífica.

Macau, um famoso destino com prosperidade e paz, moda e história, culturas orientais e ocidentais, é merecedor de uma visita e uma estadia aqui é certeza para revitalizar o viajante cansado.

Será difícil encontrar no mundo uma cidade cuja dimensão é tão inversamente proporcional ao seu passado, cultura e património. Macau é, de facto, um desses lugares exíguos no mapa, mas em que ao vaguearmos pelas suas ruas, travessas, largos e becos, sentimos entranhar-se-nos o peso de formas de existência tão diferentes, mas que desde sempre souberam adaptar-se, observar-se e tolerar-se.
É este passado, sobretudo de convivência luso-chinesa, que constitui o captital cultural específico desta terra, reflectido no seu património sabiamente coligido e exposto nos seus vários museus e monumentos.

O Museu de Macau, inaugurado em 18 de Abril de 1998, é um espaço dedicado à história e cultura de Macau, possuindo um vasto espólio de objectos de valor histórico e cultural que demonstra a forma de viver das diversas comunidades que nela têm habitado ao longo dos séculos.
No primeiro piso é feita uma apresantação comparativa das conquistas civilizacionais do Oriente e do Ocidente anteriores à chegada dos portugueses a Macau, ocorrida em meados do século XVI. São ainda apresentados aspectos da história de Macau, os contactos comerciais, as religiões e culturas predominantes. No segundo piso, o visitante tem a oportunidade de conhecer diferentes aspectos da arte popular e tradições, hábitos da vida quotidiana, especialmente de lazer, cerimónias religiosas e festivais tradicionais. O terceiro piso é dedicado à vida actual da cidade, focando algumas personalidades do mundo da literatura e das artes.
O Museu de Macau está localizado na Fortaleza do Monte, a principal estrutura defensiva da cidade construída pelos jesuítas no início do século XVII. O projecto arquitectónico composto por dois níveis subterrâneos e um terceiro situado no topo da Fortaleza, procurou respeitar a configuração da Fortaleza. Situada no topo da Colina do Monte, a Fortaleza oferece uma vista panorâmica de toda a cidade, especialmente das Ruínas de S. Paulo (vestígios da Igreia da Madre de Deus e do Colégio de S. Paulo).
Em 15 de Julho de 2005, o Centro Histórico de Macau, de que fazem parte a Fortaleza do Monte e as Ruínas de Sl. Paulo, foi oficialmente inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO.( como é obvio não vou falar de todos os museus pois ainda existem alguns :) ).

Pode dizer-se que Macau foi feito para ser visitado a pé. Embora seja um lugar pequeno, é variado e repleto de atracções pelo que há a tentação de se desviar dum percurso pré-definido, mas que pode, no entanto, ser facilmente retomado de novo.
O melhor lugar para se começar qualquer passeio é a partir da praça central de Macau - o Largo do Senado, onde se encontra o balcão de informação da Direcção dos Serviços de Turismo que fornece informação sobre os locais a visitar nestes passeios, os quais poderão ser combinados ou desenvolvidos.


San Ma Lo - O nome oficial desta avenida é Avenida Almeida Ribeiro, muito embora a maior parte da população a conheça pelo nome chinês de San Ma Lo (rua nova) quando se refere à rua principal da cidade, a qual liga a curta distância que vai da Avenida da Praia Grande ao Porto Interior. Em menos de uma milha, esta avenida apresenta todos os traços da vida Macaense. No início encontra-se à esquerda o edifício do Banco da China - e um pouco mais à frente, à direita encontra-se o arranha-céus do Banco Nacional Ultramarino - estabelecido em Macau desde 1902 - cuja fachada principal foi preservada. Adjacente a este edifício existe um conjunto de lojas típicas da Costa Chinesa (com fachadas ocres rematadas por decorações com estuque e parapeitos em ferro) cujo piso térreo está ocupado por escritórios e lojas. Em frente à Rua Central encontra-se uma escadaria que vai dar à Catedral. Continuando pela San Ma Lo, à esquerda situam-se o moderno Central Plaza, (com lojas de vestuário), e o Wing Tai, a principal loja de antiguidades… à direita fica os Correios de Macau (com secção filatélica das edições especiais de Macau) com os seus carrilhões que tocam todos os trinta minutos. Chega-se então ao Largo do Senado (o pavimento do Largo é todo coberto por calçada portuguesa)... onde se encontra o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais - edifício neo-clássico de cor branca, - o seu jardim interior, a biblioteca em estilo antigo português e a sua galeria de arte (se aberta) podem ser visitados. À direita encontra-se o edifício também em estilo neo-clássico da Santa Casa da Misericórdia (estabelecida em 1568 - a obra de caridade europeia mais antiga na China). Em frente ficam os Serviços de Turismo, onde poderá retirar brochuras com informações úteis, nesta zona encontram-se inúmeras "tendinhas" e visite a Igreja de São Domingos (construída pelos frades dominicanos em 1590, alberga agora o Museu de Arte Sacra, sendo ainda usada para palco de concertos) está ao fundo do largo. Para uma pausa, pode-se entrar nas pastelarias portuguesas na Rua de São Domingos, que apresenta toda a pastelaria tradicional portuguesa. De novo na San Ma Lo, à direita, encontram-se farmácias tradicionais, joalharias (onde o ouro de 24 K é uma autêntica pechincha), bancos e lojas de roupa. Aí existem lojas que vendem restos de colecção das fábricas locais. Passando pelo Hotel Central (aberto em 1928 foi durante muitos anos o centro de jogo de Macau), encontra-se a Rua dos Mercadores (desvio para a Tercena e Jardim de Camões) com as suas casas de penhores com edifícios de fachadas "art-deco" restauradas. Depois de se atravessar a rua e voltando-se à esquerda pela Travessa do Mastro... vê-se em frente o Fat Siu Lau (aberto em 1903, o restaurante mais antigo de Macau, famoso pelo seu pombo assado), voltando-se novamente à esquerda encontra-se a Rua da Felicidade (local antigo agora restaurada com o seu glamour do virar do século). A Rua da Felicidade vai dar ao Porto Interior. Aí encontram-se inúmeras lojas. Vende-se desde o peixe seco salgado até aos bolos típicos de Macau ou pequenos pedaços de carne de porco na brasa. Retorne à Avenida Almeida Ribeiro, e siga do lado direito da estrada, passando pela loja de antiguidades, e na vizinhança poderá encontrar lojas de vestuário barato de marcas famosas.

San Ma Lo - à noite

Em San Ma Lo a animação, prolonga-se pela noite dentro, com lojas abertas e restaurantes que estão, frequentemente, ainda mais animados à hora de jantar...Antes de descer a rua faça uma pequena volta ao longo da velha marginal, a Avenida da Praia Grande... à sua direita encontram-se os imponentes edifícios dos escritórios governamentais... o mais belo está iluminado (foi construído em 1849 para Palácio do Governo e alberga agora a Sede da RAEM)... à esquerda pode admirar o lago formado pelas águas da baía, onde se situa a Fonte Cibernética e, todas as noites, pode-se assistir a diferentes demonstrações. Volta de novo a San Ma Lo, com a sua brilhante iluminação e vá até ao Largo do Senado, feericamente iluminado e literalmente inundado de grupos de pessoas que conversam e visitam as lojas... siga em frente e penetre no Bairro da Felicidade, que à noite se enche de vida, com os seus barulhentos e apinhados restaurantes, o aroma das diversas bancas de cozinha que competem nas ruas pelo apetite dos passantes, o som das pedras do mahjong, a música brotando das janelas abertas e as conversas dos grupos que passeiam relaxadamente. Se sentir apetite, são numerosos os restaurantes ao seu dispor nesta área.




Comprar em Macau - um prazer e uma aventura
Macau é o lugar ideal para comprar quase todo o género de coisas, a preços bem mais baratos do que em muitas cidades e regiões vizinhas. Ourivesaria (especialmente, artigos de ouro), antiguidades e velharias chinesas, porcelanas, produtos de electrónica e de telecomunicações, móveis, computadores, relógios, grande variedade de peças de artesanato chinesas e de outros países asiáticos e, até, confecções, designadamente, em caxemira e seda, estão à venda nas lojas de Macau a preços muito competitivos.
Pode encontrar antiguidades (Rua das Estalagens e na Rua da Tercena), caixas de chá (Rua Cinco de Outubro), e café de todo mundo (Estrada do Cemitério e Av. Coronel Mesquita), lojas tradicionais de chá e de medicina tradicional chinesa (Rua de S. Paulo e Rua de Pedro Nolasco da Silva). Estes são apenas alguns exemplos ilustrativos, mas propõe-se que cada um tente penetrar no interior das lojas de Macau e descubra a variedade e riqueza que elas escondem, reflectindo o seu estilo de vida cosmopolita de há séculos.

Lojas Francas (Duty-Free) e Armazéns
Boutiques que vendem marcas internacionalmente reconhecidas podem ser encontradas na baixa, na Doca dos Pescadores, no Centro Comercial New Yaohan, no Landmark e no Hotel Grand Lapa. O comércio a retalho de marcas luxuosas estão localizadas junto aos hotéis, nomeadamente: Esplanadas do Wynn, no Grand Canal Shoppes do Venetian, no The Shoppes do Four Seasons, no The Bouleard do City of Dreams e no One Central Macau. Há lojas francas no Terminal Marítimo, Aeroporto Internacional de Macau e no lado da China Continental das Portas do Cerco.


Vestuário (com grandes descontos)

Macau tem fábricas de têxteis, a maioria das quais de produtos para os mercados norte-americano e europeu. Apesar de fabricarem todo o tipo de roupas, as de desporto, as gangas e as roupas de criança são as que existem em mais quantidade nas lojas e nos mercados.
Mas, se quiser roupas tradicionais chinesas (com gola de "mandarim"), de veludo ou seda, pode encontra-las no Mercado de S. Domingos e perto da Rotunda de Carlos da Maia (também chamada "Largo dos Três Candeeiros"), junto do Mercado Vermelho.

Mobílias e Antiguidades - genuínas e réplicas

Qualquer visitante encontra por toda a parte em Macau lojas de mobílias chinesas. Concentram-se, sobretudo, à volta das Ruínas de S. Paulo nas Ruas de Sto.António, de S. Paulo e das Estalagens.

"Feiras da ladra"
A maior parte deste género de comércio fica numa rua perto das Ruínas de S. Paulo; mas não naquela que os turistas normalmente seguem para aí chegar: se continuar um pouco mais até ao fim da Rua das Estalagens, ou se for por uma das que saem da Rua de Sto. António para a das Estalagens, encontra muita gente a vender velharias no chão, mesmo à beira de quem passa. À sua volta, há lojas cheias de interesse para os coleccionadores, que são um verdadeiro "maná" para os apaixonados por "coisas velhas" (desde selos até caricas, garrafas, estampas, fotos, etc...).


As melhores zonas de compras

No Largo do Senado fica o Mercado de S. Domingos. Junto dele, nas ruas estreitas que ligam o Largo à Avenida Almeida Ribeiro, vêem-se muitas lojas e tendinhas onde há quase todo o genéro de produtos, com a vantagem de, nas redondezas (Travessa da Sé e Largo de S. Domingos) se encontrarem alguns dos melhores cafés da cidade para descansar e retemperar forças. Mas as roupas são sem dúvida, o que há mais à venda, com lojas especializadas em roupa de criança, roupa interior, desportiva, "batiks", gangas, roupas chinesas, tecidos, fazendas, "t-shirts", blusões, casacos, uniformes, etc..

Ali ao lado, na Rua de Pedro Nolasco da Silva, (conhecida por Rua das Mariazinhas) está o Centro Comercial "Sun Star City" e na Rua da Palha há outros mais pequenos que vendem roupas clássicas e modernas, relógios e acessórios variados em moda, como óculos de sol, sacos, carteiras, cintos, sapatos, sandálias, lenços, etc..

Do outro lado da Avenida Almeida Ribeiro (para quem vai pela Rua do dr. Soares, ao lado do IACM, até à Rua da Felicidade) há uma outra zona, menos explorada pelos turistas, mas que merece atenção especial do visitante. É que era dantes aqui o bairro da vida nocturna da cidade, nos idos de oitocentos e nas primeiras décadas do séc. XX. Quem por ali andar pode encontrar lojas com o ambiente fascinante dos tempos antigos, onde há toda a espécie de antiguidades, jóias, artigos de ouro, pinturas, estampas e outros produtos de papel, junto de outros mais exóticos, como bebidas e petiscos de cobra, barbatana de tubarão, carne seca, enchidos, etc..

Junto, também, do Mercado Vermelho (entre as Avenidas Horta e Costa e Almirante Lacerda) há muitos lojas de todos os géneros e para todas as bolsas. A própria Avenida Horta e Costa (vai do sopé do Monte da Guia até ao Mercado Vermelho) é uma rua comercial com uma enorme variedade de lojas de artigos eléctricos e electrónicos, sapatos, tecidos, sedas, etc..

Os históricos "Três Candeeiros" (Rotunda Carlos Maia) e as ruas em volta estão cheios de pequenas lojas que vendem uma grande variedade de artigos a bom preço.


Vinhos portugueses de boa qualidade e a preços muito razoáveis

Sobre vinhos poderia escrever-se um livro mas, para começar, aconselha-se uma visita ao Museu do Vinho, no CAT, onde, depois de uma prova (incluída no preço da entrada), poderá, se quiser, comprar algumas garrafas. Mas, em qualquer dos grandes supermercados de Macau também encontra uma grande variedade de vinhos portugueses a partir das MOPs$30 até às centenas de patacas, por garrafa.



Arte - Galerias e lojas

Residem em Macau muitas artistas que escolheram a cidade como local de inspiração e onde, com frequência, fazem as suas exposições. As galerias de Arte de Macau são, por isso, muito animadas. Refiram-se, entre outras, a Galeria de Exposições Temporárias do IACM (Av. Almeida Ribeiro), a Galeria da Casa Garden (na sede da Fundação Oriente, junto do Jardim de Camões), a Galeria dos Serviços de Turismo, no Largo do Senado e tantas outras, mais pequenas, como a da Livraria Plaza Cultural (Rua do Campo) ou a da Livraria Portuguesa (Rua de Pedro Nolasco). Lojas/Galerias com pinturas em estilo chinês também são sempre uma grande atracção para os turistas; pode encontrá-las na Rua do Dr. Soares e na Rua do Campo, etc.. Mas, quem preferir pinturas mais antigas, tem de as procurar na zona da Rua de Sto. António.

Joalharia/Ourivesaria

Vendem-se jóias de ouro e pedras preciosas em muitos locais de Macau e a preços muito razoáveis pois não pagam taxas. Tudo depende do que se queira gastar. Algumas das ourivesarias e joalharias mais conhecidas ficam no próprio Hotel Lisboa, na Avenida Almeida Ribeiro e, também, na Avenida Horta e Costa (no cruzamento com a Rua de Francisco Xavier Pereira). Deve comparar preços antes de comprar qualquer peça mais cara e pedir garantia e recibo. E pode sempre, além disso, encomendar jóias a seu gosto ou mandar copiar as que quiser pois, em geral, não demora muito tempo.


Petiscos chineses


Há por toda a parte lojas de petiscos chineses (tradicionais ou não). O difícil é só escolher. Estamos a falar de doces, sobremesas, mariscos, carnes secas, abalone, barbatana de tubarão, etc. e, até, de vários pratos com produtos da medicina tradicional chinesa. A Rua da Felicidade e as Avenidas Almeida Ribeiro e Horta e Costa são as mais conhecidas. Em muitas delas as receitas são caseiras e, para as encontrar, basta "ir-se atrás do seu cheirinho"...


Bolos e biscoitos
A ilha da Taipa tornou-se num destino para este tipo de comestíveis. Toda a Rua do Cunha e redondezas está pejada de lojas em que os vendedores o deixarão provar antes de comprar. Mas também em Macau, nas pastelarias do centro em torno do Largo do Senado, na Av. Infante D. Henrique, Av. D. João IV, Travessa de S. Domingos, e ao longo da Rua de S. Paulo, ou nos principais hotéis a doçaria é muito apreciada. Em muitas das lojas as receitas destes negócios familiares passaram de geração em geração até aos dias de hoje. Um famoso doce português, os pastéis de nata, são uma especialidade de Macau, vendida em cafés e padarias pela cidade e Coloane. São muito apreciados por locais e visitantes quando comidos quentes, acabados de sair do forno.


Feira Semanal das Ilhas

Entre o Largo dos Bombeiros e a Praça de Camões na Taipa realiza-se aos Domingos a Feira das Ilhas num ambiente de grande informalidade e descontracção. Artesanato variado, brinquedos, lembranças, roupas, etc., são os artigos mais procurados, havendo também comes e bebes. A feira decorre entre as onze da manhã e as oito da noite e é acompanhada com actuações de grupos de acção cultural na Praça Maia de Magalhães. Há muitos parques de estacionamento e transportes públicos na área.


Lojas dos Museus e produtos típicos de Macau

Se quiser lembranças "típicas" de Macau, dê um salto às lojas dos Museus onde há livros, postais, canetas, camisolas, etc.. Muito procurada é a do Museu do Grande Prémio pois os seus artigos inspiram-se neste grande acontecimento desportivo de fama internacional. Também a loja do Museu Marítimo tem muitas peças de artesanato, outros artigo com "design" diferente e livros, livros estes que também podem ser encontrados nas lojas do Museu de Macau e do Museu de Arte. No centro da cidade (perto do Largo do Senado), na Rua dos Mercadores também há lojas só de lembranças de Macau.

O chamado Clube Cultural fica numa antiga casa de penhores, em plena Avenida Almeida Ribeiro (Sân Má Lô), no centro da cidade. Trata-se de uma velha casa muito bem restaurada, dividida em cinco partes: as duas primeiras têm a Pastelaria e a Galeria de Artes, onde, além dos postais e das lembranças do costume, se vendem peças artísticas, artigos de vestuário e outros muito originais. A terceira tem a "Biblioteca Jin Yong", onde estão as célebres obras de Jin Yong. A quarta tem, na Biblioteca, uma Sala de Chá, que convida ao descanso e ao sossego. Finalmente, a última é o Salão de Exposições, destinado a mostras de Belas Artes, Caligrafia Chinesa, etc..

Postais, livros, revistas

Para estas "lembranças" ou para artigos culturais deve ir às livrarias de Macau (Livraria Portuguesa, Livraria S. Paulo - com muitos livros em língua portuguesa - e Livraria Plaza Cultural), onde há uma boa oferta de álbuns e obras de referência e ficção. Tem ainda as Galerias do IACM e dos Serviços de Turismo (Largo do Senado), onde pode comprar cópias de pinturas sobre Macau.

Há, além disso, algumas publicações de carácter cultural em Macau, tal como a revista "Macau" com números em português, inglês e chinês, têm uma excelente qualidade de texto e de fotografia.

Artigos de electrónica

Em toda a parte mas, especialmente, nas principais ruas e centros comerciais, há muitas lojas com os últimos modelos de toda a espécie de produtos electrónicos. Há duas lojas de máquinas fotográficas especialmente populares entre os visitantes, uma na Rua de Campo e outra localizada na Av. Horta e Costa, próxima dos "Três Candeeiros". As novidades são sempre um chamariz nestas lojas que se orgulham de oferecer, muitas vezes semanalmente, as últimas criações das marcas mais conhecidas da Europa, Japão e Estados Unidos.


Artesanato

No centro da cidade há algumas lojas vendendo artesanato chinês e de outras partes e países da Ásia - a melhor das quais, porventura, localizada na Av. Almeida Ribeiro, próximo do Largo do Senado, assim como nas arcadas dos hotéis. Uma pequena loja na Rua Hong Chau, na Taipa, tem à venda uma grande variedade de objectos relacionados com o ritual e o serviço do chá. Para comprar papel chinês e tintas vá a uma lojinha na Rua do Campo. Em toda a zona da Rua da Palha, que leva às Ruínas de S. Paulo, tem lojas de artesanato; e pode ir, ainda, à Casa Cultural do Chá, no Jardim de Lou Lim Ieoc.


Porcelanas e cerâmica fina

Em Macau, como há fábricas de loiças de porcelana e de cerâmica, é fácil comprarem-se serviços de chá, de café ou mesmo de mesa, de estilo chinês (Cantão, Bago de Arroz, etc.) ou ocidental: vasos, "cache pots", salvas, pratos, caixinhas, etc.. O cliente pode, até, se quiser, criar um modelo a seu gosto, e a loja se encarregará de lho enviar para onde disser. Na Avenida Almeida Ribeiro, junto do IACM, na Rua do Volong (perto da Praça do Tap Seac), na Avenida Horta e Costa ou na Rua de S. Paulo, a escolha é mais criteriosa e os produtos de melhor qualidade, embora, naturalmente, também mais caros.


Faça compras com confiança em Macau

Compre sempre com confiança em Macau, sobretudo nas lojas que à porta têm o logotipo "Loja Certificada", pois estas lojas são aconselhadas pelo Conselho de consumidores. Em caso de alguma reclamação que queira fazer ou mesmo apresentar uma queixa, pode sempre ligar para o Conselho de Consumidores - que actua como intermediário em qualquer reclamação contra lojas com o certificado, que envolva valores abaixo das 50,000 patacas - para os sequintes números onde encontrará alguém que o ajudará em língua portuguesa, chinesa ou inglesa.

Ops.....queres ir né também eu parece demasiado lindo imaginem só a fusão de duas culturas,a chinesa e a portuguesa,imaginem a arquitectura imaginem um mundo num só lugar,imaginem pois por enquanto só dá mesmo para imaginar mas um dia vou e depois digo como é Ok :D
Beijokas espero que tenham gostado da viajem . 

Sem comentários:

Enviar um comentário

por vezes é difícil concordar com o que escrevo podes deixar a tua opinião deste que não digas palavrões é na boa gosto quando os miguitos comentam o que escrevo beijokas fofas fiquem bem

Sound of the Desert